domingo, 24 de abril de 2011

Onde a alma encontra o corpo.

"E eu acredito que é verdade, que ainda há estrada para os nossos sapatos. Mas se o silêncio levar você, então espero que me leve também. Então, olhos castanhos, eu te seguro perto de mim porque você é a única canção que quero ouvir, uma suave melodia elevando-se através da minha atmosfera."

(Soul Meets Body)

quinta-feira, 21 de abril de 2011


Por favor não chore
Você sabe que eu estou partindo essa noite
Antes de eu partir, eu quero que você saiba
que sempre haverá uma luz.
E se a lua teve que ir pra longe
E todas as estrelas não quiserem brincar
Não desperdice o sol no dia chuvoso
O vento logo ira soprar tudo pra longe
Muitas vezes eu tentei
Ser muito mais o que eu sou
E se eu deixei você pra baixo, eu irei seguir a sua volta,
até que você compreenda..
Quando todos os dias parecem os mesmos
Não sinta o frio ou o vento ou a chuva
Tudo ficará bem
Nós nos juntaremos de novo um dia
E eu irei brilhar para todo mundo

Shine On

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Ausência...

"Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces. Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto. No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz. Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado. Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada. Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado. Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face. Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada. Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite. Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa. Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço. E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado. Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos. Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir. E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas. Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada."


V.M.

domingo, 10 de abril de 2011


"Tudo me interessa e nada me prende. Atendo a tudo sonhando sempre; fixo os mínimos gestos faciais de com quem falo, recolho as entoações milimétricas dos seus dizeres expressos; mas ao ouvi-lo, não o escuto, estou pensando noutra coisa, e o que menos colhi da conversa foi a noção do que nela se disse, da minha parte ou da parte de com quem falei. Assim, muitas vezes, repito a alguém o que já lhe repeti, pergunto-lhe de novo aquilo a que ele já me respondeu; mas posso descrever, em quatro palavras fotográficas, o semblante muscular com que ele disse o que me não lembra, ou a inclinação de ouvir com os olhos com que recebeu a narrativa que me não recordava ter-lhe feito. Sou dois, e ambos têm a distância - irmãos siameses que não estão pegados."

F.P.