sábado, 20 de novembro de 2010

Castelos Interiores


O tempo brinca, e muda.
O tempo arma, e salva.
Seria mais fácil em tempos passados,
onde nada existia, e toda poesia tinha
o doce sabor de novidade.
O mundo era um belo desconhecido.
Seria mais fácil se não houvesse
uma vida à encarar, quando as paredes
da ilusão caíssem.
No fundo, todo homem é uma criança,
criança perdida, seguindo o caminho
das borboletas azuis, e esperando que
um vento forte o leve para outro mundo,
um mundo mágico.
Até onde irá o nosso sonho de voar?